segunda-feira, 4 de julho de 2016

Uma análise do Filme “Milagres do Paraíso”


                Se você não gosta de Spoiler, não leia este texto sobre o filme,  pois trataremos do mesmo.
                
             O Filme é fantástico, primeiramente temos uma história real algo que realmente ocorreu é bem melhor de se compreender e sentir, diferente de uma ficção que fica apenas no mundo das idéias, bem pelo menos eu acho mais percebível algo que tenha acontecido. Enfim, a história é muito rica, pois retrata como a dor e as dificuldades nos levam a nossa real condição humana que é de total limitação, ao contrário do que pensamos quando nos sentimos seguros e no “controle” da situação. 
  
                A Família Beam, basicamente uma família comum, freqüentadora semanal de uma simples congregação, mas quando um doença assola uma das três filhas do casal e após uma verdadeira peregrinação por diversos médicos descobre que sua filha tem uma doença séria.

                Questionamentos sobre a soberania de Deus e o porque um pobre criança inocente e sem nenhum motivo aparente sofrer uma “pena” tão difícil da parte do Senhor.

                O Filme é muito rico em reflexões no tocante a nos levar a pensar sobre o sofrimento de crianças e das pessoas, sobre a bondade de pessoas e prontidão em ajudar seu próximo com pequenas coisas, ainda sobre amizade sem interesse.

                No Final já testemunhando o maravilho milagre a Sra. Beam disse:

                “Milagres estão por toda parte, milagres são bondades, as vezes aparecem por pessoas mais estranhas que apenas passam por nossas vidas, ou queridos amigos que nos apóiam em qualquer circunstâncias, milagres são Deus e Deus é perdão, porque a Ana foi curada se hoje no mundo há tantas crianças sofrendo? Eu não tenho a resposta, mas depois do que eu passei eu percebi que eu não estou só. E seja lá pelo que está passando, eu estou aqui pra dizer que você não está só, milagres são um jeito de Deus dizer que Ele está aqui”.

                Posso estar exagerando, mas só quem já teve a alma dilacerada pra poder imaginar o que essa família passou e o que diversas pessoas passam ai pelo mundo a fora. Perder a fé é de certa forma até normal, mas o cuidado do Senhor e seu imenso amor “encurtam” essa distância entre nossa incredulidade e a Graça.

                Recomendo a todos o filme que em meio a um turbilhão de produtos que temos hoje disponíveis alguns bons materiais tem se destacado.

Segue Trailher do Filme:

                

1 comentários:

  1. O elenco foi maravilhoso!O roteiro é previamente conhecido por três motivos: o nome do longa, o trailer que fornece um spoiler gigantesco (na hipótese de fingir desconhecer o final) e, é claro, a previsibilidade praticamente inerente ao subgênero. Impossível uma estrutura narratológica mais clássica, de 3 atos: um primeiro momento de fé aparentemente inabalável da família perfeita, um segundo período de questionamentos religiosos em razão do drama sofrido e, por fim, o desfecho já desenhado (retomando a fé). Tudo já sabido. Apesar de tudo que foi dito, o filme não é ruim. A interpretação de Jennifer Garnerr como Christy é uma das melhores da sua carreira (o que não significa muito). Vive a única personagem formada por camadas, e diversas facetas são exploradas, convencendo sempre com eficácia exemplar na alta carga dramática do papel. Também a infante Kylie Rogers vai bem, mostrando ter sido a escolha certa.

    ResponderExcluir