sábado, 27 de fevereiro de 2016

Igreja, ou mais uma torre de Babel?



Gênesis 11:1-8
E era toda a terra de uma mesma língua e de uma mesma fala.
E aconteceu que, partindo eles do oriente, acharam um vale na terra de Sinar; e habitaram ali.
E disseram uns aos outros: Eia, façamos tijolos e queimemo-los bem. E foi-lhes o tijolo por pedra, e o betume por cal.
E disseram: Eia, edifiquemos nós uma cidade e uma torre cujo cume toque nos céus, e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra.
Então desceu o Senhor para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam;
E o Senhor disse: Eis que o povo é um, e todos têm uma mesma língua; e isto é o que começam a fazer; e agora, não haverá restrição para tudo o que eles intentarem fazer.
Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro.
Assim o Senhor os espalhou dali sobre a face de toda a terra; e cessaram de edificar a cidade.



Ao analisar a motivação daquele povo, de cara parece ser boa: "vamos construir uma cidade para nós, para ficarmos juntos e protegidos, vamos fazer uma torre tão alta, que caso um dia alguém se perca, ao olhar para o torre volte para ficar junto novamente, vamos ficar juntos.’’ A proposta do povo era comunhão, essa é justamente  a proposta do Espírito Santo, trazer comunhão (Atos 2.42-47); não há nada de errado nisso...

Porém, essa comunhão dos babilônicos foi reprovada por DEUS. Um dos motivos para isso foi que a ordem direta de Deus goi dada em Genesis 9.1 ‘’frutificai e multiplicai-vos e enchei a terra.’’.

Hoje não é muito diferente, as congregações (Com rótulos de Igreja A, B, C...) tem propostas idênticas, "venha para nosso culto, venha para nosso retiro, venha para nossa escola dominical, vamos ficar juntos". Talvez, a maior distorção da ordem direta de Cristo, trocando o ide de Marcos 16.15, pelo vinde. As reuniões proporcionadas por essas congregações, chamadas de cultos, muita das vezes servem como uma espécie de "parada para recarregar": recarregar as motivações, esperanças, sonhos etc., sempre alimentando o próprio ego.

Um dos principais motivos para que o povo paralisasse e construísse a cidade de babilônia, foi que o povo encontrou um vale na terra de Sinar, que tinha água fresca e terra fértil, elementos fundamentais para suas necessidades. Da mesma forma, hoje, vemos uma grande massa manipulada, sendo plantada geograficamente em prédios, cercadas pelas suas necessidades, ambições e metas, motivando-as pela fé.

Mas você pode me perguntar, que mal tem nisso?  Estamos em comunhão adorando a Deus, e não é errado, errado seria estar no mundo... Vejamos o exemplo de boas intenções que não agradou a Deus em nada:


"Grite alto, não se contenha! Levante a voz como trombeta. Anuncie ao meu povo a rebelião dele, e à comunidade de Jacó, os seus pecados. Pois dia a dia me procuram; parecem desejosos de conhecer os meus caminhos, como se fossem uma nação que faz o que é direito e que não abandonou os mandamentos do seu Deus. Pedem-me decisões justas e parecem desejosos de que Deus se aproxime deles.
‘Por que jejuamos’, dizem, ‘e não o viste? Por que nos humilhamos, e não reparaste? ’ Contudo, no dia do seu jejum vocês fazem o que é do agrado de vocês, e exploram os seus empregados.
Seu jejum termina em discussão e rixa, e em brigas de socos brutais. Vocês não podem jejuar como fazem hoje e esperar que a sua voz seja ouvida no alto.
Será esse o jejum que escolhi, que apenas um dia o homem se humilhe, incline a cabeça como o junco e se deite sobre pano de saco e cinzas? É isso que vocês chamam jejum, um dia aceitável ao Senhor?
"O jejum que desejo não é este: soltar as correntes da injustiça, desatar as cordas do jugo, pôr em liberdade os oprimidos e romper todo jugo?
Não é partilhar sua comida com o faminto, abrigar o pobre desamparado, vestir o nu que você encontrou, e não recusar ajuda ao próximo?
Aí sim, a sua luz irromperá como a alvorada, e prontamente surgirá a sua cura; a sua retidão irá adiante de você, e a glória do Senhor estará na sua retaguarda.’’
Isaías 58.1-8


Ser igreja nunca teve a ver com felicidade e realizações dos próprios desejos, pelo contrário, tem a ver com o próximo, em João 6.5-14 Jesus só multiplicou os pães e peixes quando uma pessoa ofereceu o que tinha, e não para encher a prateleira da casa dele, mas para saciar a fome de todos. Repare que em Efésios 4.28 o antônimo de roubar é acumular, pois o incentivo a juntar recursos é para ter o que repartir com o que tem necessidade, e não para alimentar somente nossas necessidades. 

Muitos usam Marcos 4.19 ‘’E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens.’’ para justificarem que as congregações servem para pescar almas, ora! Quando alguém quer pescar, não constrói um aquário, pelo contrario, vai ao rio ao ar livre ou ao mar aberto. O padrão que Cristo nos deixa a respeito de como devemos nos comportar diante Dele, com nossas necessidades e vontades é clara e não deixa margem para dúvidas.

Lucas 9.23 ‘’E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me.’’ 

Romanos 12.1 ’’Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.’’


O que quero deixar claro para você, caro leitor, é que não estou dizendo que ir a uma congregação é errado ou pecado, todavia, quero alertar dos riscos do comodismo. Não se torne vitima da rotina, não vire escravo do emocionalismo, se toda vez em que nos reunirmos não for para decidir de qual forma podemos ajudar nosso próximo, estamos cavando nosso própria cova no comodismo. As reuniões dos santos devem ser somente para orar e estudar as escrituras sagradas, para que possamos compreender cada vez mais o propósito de Deus para com os que estão perdidos ainda, pois para isso fomos chamados, para viver para amar o próximo, não há sentido viver para nós mesmos, mas somente para agradar ao PAI.

Deus abençoe a todos.

#BereanoKS

0 comentários:

Postar um comentário