sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

DEVOCIONAL #04: FILIPENSES 3:14


"O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas.
Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome.
Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam. Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda. Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias."
Salmos 23:1-6



Quantas noites dormi toda machucada por dentro e por fora, meditando nesse salmo, às vezes perguntando ao Senhor por que aquilo estava acontecendo comigo, por que mesmo conhecendo os caminhos dEle, permiti que isso acontecesse comigo, eu pedia por forças para poder sair daquela situação, no entanto, eu estava tão cega, que nem mesmo o risco iminente de morte me fazia acordar daquele pesadelo.


E era então que, durante meu pranto, muitas vezes ainda sendo agredida, eu me agarrava com o último fôlego que me restava a esse Salmo. E enquanto estava ali, essas palavras pareciam uma oração em minha mente.


E eu pensava naquela música : "Não compreendo os Teus caminhos, mas te darei a minha canção, doces palavras te darei. Me sustentas em minha dor, e isso me leva mais perto de Ti, mais perto dos Teus caminhos..."


Claro que, por diversas vezes, eu pensava que minha única saída era a morte, pois eu não tinha forças pra sair dali, para abandonar quem dizia que me amava, e sem motivo aparente ou relevante, 5 minutos depois estava me agredindo. 


Meu estado emocional estava abalado demais para tentar reagir, o inimigo já havia me cegado por completo, e meu futuro havia sido decretado, a qualquer momento, com uma nova agressão, ele iria me matar, mas esse Salmo não saia da minha cabeça. O que fazer? Se eu não tinha forças nem para orar e, se eu orasse, que motivo Deus teria para me ouvir? 


Mas estou aqui não é mesmo! Ele mostrou sua infinita graça! Mas por quê, Senhor? Se sou mais uma pobre pecadora! Sinto no meu coração o mesmo sentimento de Agostinho de Hipona em sua confissão:  "Tu me chamaste, gritaste  por mim, e venceste minha surdez.  Brilhaste,  e teu esplendor afugentou  minha cegueira. Exalaste teu perfume, respirei-o, e suspiro por ti. Eu  te saboreei, e agora tenho fome e sede de ti. Tocaste-me, e o desejo de tua paz me inflama." 


Portanto, creia! Mesmo nas piores das aflições, invoque a Deus mesmo que seja apenas em pensamento! 


E hoje eu oro para que assim como o Senhor rompeu minha surdez e afugentou minha cegueira, Ele fará o mesmo por outras mulheres! 


E assim como o apóstolo Paulo, hoje "Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus." (Filipenses 3:14)

#Sara

0 comentários:

Postar um comentário