terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Uma análise sincera do Filme: Quarto de Guerra (War Room)



Primeiramente se você não viu o filme e não gosta de Spoilers, não leia este artigo para não ter sua opinião afetada pela minha, depois que assistir fique a vontade para ler e discordar ou concordar caso queira.

O Filme traz um enredo muito bom, ideal para assistir com toda a família, apensar dos clichês clássicos dos filmes evangélicos, o filme tem muita coisa interessante, como por exemplo a exposição de uma situação de problema familiar e claro oque mais me chamou a atenção a necessidade e o desejo de orar, prática que tem se esfriado ultimamente.

No filme, a corretora Elizabeth está desanimada com seu casamento com Tony Jordan, um bem sucedido vendedor da indústria farmacêutica, que cada dia se distancia mais da mulher e da filha para se dedicar ao trabalho e a seus próprios interesses. Porém após Elizabeth conhecer a divertida senhora Clara Williams, que é uma senhora já idosa tomada pelo desejo de orar.

Determinada em Elizabeth, ela apresenta seu “quarto de oração”. O local é um cômodo de sua casa onde trava batalhas de oração e ensina a jovem esposa a usar táticas e armas espirituais para vencer a luta e reconstruir seu lar.

Aparentemente religiosa e não praticante Elizabeth representa o padrão médio cristão de nossos tempos. Neste aspecto o filme acertou em cheio, pois somos movidos por modismo e praticas que já se tornaram totalmente contrárias a fé cristã, como por exemplo deixar de orar.

Outro ponto forte do longa é a lucidez que o pecado. A honestidade com as consequências que ele traz mediante as escolhas que fazemos deve ser ressaltada. Num tempo em que se difunde tão amplamente o triunfalismo antibíblico, é importante ratificar a luz da Palavra a máxima de que a redenção presente não apaga marcas do passado. Sem mascarar a verdade, ou dar soluções alternativas, o diretor lança sobre os protagonistas o peso de sofrer com as consequências de seus atos em outrora.

Isso vai de encontro a opinião dos céticos com relação aos cristãos, que apenas "aceitam Jesus" e "shazam" estão livres, sendo que Cristo apaga nossos pecado com o pai, nos perdoa, contudo a implicações e consequências são claras e evidentes a qualquer ser humano que cometeu algum deslise.

Quase no fim um ponto negativo, a Sra. Clara dá uma "indireta" sobre MDA (G12), se não percebeu isso veja de novo, ela pede que clara procure outras mulheres e faça o mesmo e meio que crie uma rede de mulheres como ela. Isso não é errado querer ajudar outras pessoas mas métodos humanos para uma evangelização em "multinível" é algo que tenho total aversão e creio que isso seja anti-bíblico, mas pode ser um exagero meu, mas fica aqui a menção.

Mas apesar de todos os problemas do filme, ainda sim é um excelente filme para ver com toda a família, e meditar no peso que a oração tem na vida do Cristão.


O melhor do filme pra mim foi o final, a Sra. idosa, ajoelha em seu quarto e em um clamor pede a todos que se posicionem em defesa ao evangelho, a prática de oração.

8 comentários:

  1. Interessante. Vou assistir com certeza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que bom mano, cuidado para não suar os olhos kkk

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Comentário compreensível, principalmente quando estamos olhando para ao método MDA, que infelizmente peca em alguns detalhes! Quanto ao relacionamento entre Clara e Elisabeth visto no filme, podemos ver o discípulado entre uma pessoa com suas experiências de vida, para com uma mulher perdida em seus achismos quanto ao verdadeiro sentido do evangelho! Digo isso, pois faço parte de uma comunidade onde compartilhamos de momentos únicos ao expressarmos e entendermos o que realmente somos, e para qual propósito existimos!

    ResponderExcluir
  5. Comentário compreensível, principalmente quando estamos olhando para ao método MDA, que infelizmente peca em alguns detalhes! Quanto ao relacionamento entre Clara e Elisabeth visto no filme, podemos ver o discípulado entre uma pessoa com suas experiências de vida, para com uma mulher perdida em seus achismos quanto ao verdadeiro sentido do evangelho! Digo isso, pois faço parte de uma comunidade onde compartilhamos de momentos únicos ao expressarmos e entendermos o que realmente somos, e para qual propósito existimos!

    ResponderExcluir
  6. Achei o filme excelente, nos mostra uma realidade de hoje, onde nos intitulamos cristãos e vamos a igreja, e não temos uma vida de oração. E sobre a crítica do discipulado, creio eu, que todo método de evangelismo é valido. Não sou do MDA, porém acredito nesse discipulado, muitas pessoas o criticam pois saem de seu "comodismo", e nos leva a evangelizar. Como todo método, esse também tem seus defeitos, e pode ser aprimorado, porém não sei se "anti-bíblico" seria uma palavra certa para se usar, afinal JESUS o maior evangelista teve seus 12 discípulos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com sua abordagem, mas sua análise a este tipo de "discipulado" foi muito superficial, ou seja você não conhece como funciona todo o processo e os danos que eles causam... se o plano de Jesus fosse discipular somente 12 estaríamos perdidos...

      Excluir