domingo, 1 de novembro de 2015

Estudo da Carta aos Romanos - capítulo 6


Paulo começa o capítulo 6, falando sobre o pecado. 
Eles já tinham tido a compreensão sobre a graça de Deus, e sabiam que esta graça abundante os tinha tornado justos diante de Deus, através da fé, da morte de Cristo Jesus na cruz do calvário.
Mas Paulo alerta os irmãos à não permanecerem em uma vida de pecado, por mais que a graça abundasse sobre o pecado (Romanos 5:20), continuar vivendo uma vida de pecado era negar o novo nascimento (2 Coríntios 5:17).

Paulo fala sobre o batismo como um sinal visível do morrer do velho homem, para uma nova vida a ser vivida a imagem de Cristo nosso Senhor (1 João 2:6).
O batismo é como uma confissão da nossa fé, e o ato de mergulhar nas águas, representa o velho homem sendo sepultado, e o levantar das águas a nova vida que renasce em Cristo, onde o Espírito Santo, existente em nós nos regenerará a imagem de Cristo Jesus (João 3:5). E esta é uma obra que será completa em nossas vidas apenas quando Jesus vier para nos levar com ele para o seu reino (1 Coríntios 3:18 e 1 Coríntios 15).

E quando morremos para o pecado, nosso corpo pecaminoso, herdado em Adão, também foi destruído, e por isso não somos mais escravos do pecado.
O escravo, serve aquele que é maior que ele e que tem domínio sobre ele, mas Cristo em sua morte, nos resgatou, nos dando liberdade para servimos à ele, em um espírito voluntário operante em nós através do Espírito de Deus.
Por isso aquele que morreu para o velho homem está justificado dos seus pecados!!!!

Se já morremos com Cristo, através da morte do nosso velho homem, cremos que com ele também viveremos, pois sabemos que a ressurreição de Cristo, deu a ele poder sobre a morte.
Assim como Cristo morreu encravando o pecado na cruz, e vive em Deus, nós também estamos mortos para o pecado, mas estamos vivos em Deus, através da morte de Jesus na cruz que levou sobre ele todos os nossos pecados (Colossenses 2:12-15).

Por isso não devemos nos deixar ser dominados pelo pecado, de maneira a sermos escravos novamente dele, e nem devemos oferecer nossos membros, corpo, para servir ao pecado (Romanos 8:8), mas devemos nos oferecer à Deus, pois fomos ressuscitados da morte (pecado), para viver de maneira a sermos instrumentos da sua justiça.
Todos que confessaram sua fé em Cristo e é com ele sepultado, para morte do pecado, não está mais debaixo da lei do pecado, da condenação que virá pelo pecado, mas passamos a estar debaixo da graça de Deus, da sua justificação em Cristo, que recebemos pela fé (Efésios 2:8).
O pecado não terá domínio sobre nós, porque o Espírito de Deus nos ajudará a resistir ao pecado, temos a capacitação através do Espírito de Deus para não mais viver uma vida de pecados (Tiago 4:7-10).)

Dos versículos 15 ao 23 ... A lei, a escravidão e a graça ___ E daí? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, e sim da graça? De modo nenhum!
Não sabeis que daquele a quem vos ofereceis como servos para obediência, desse mesmo a quem obedeceis sois servos, seja do pecado para morte ou da obediência para a justiça?
Mas graças a Deus porque, outrora, escravos do pecado, contudo, viestes a obedecer de coração à forma de doutrina a que fostes entregues;
e, uma vez libertados do pecado, fostes feitos servos de justiça.
Falo como homem, por causa da fraqueza da vossa carne. Assim como oferecestes os vosso membros para a escravidão da impureza e da maldade, assim oferecei, agora, os vossos membros para servirem à justiça para a santificação.
Porque, quando éreis escravos do pecado, estáveis isentos em relação à justiça.
Naquele tempo, que resultados colhestes? Somente as coisas de que, agora, vos envergonhais; porque o fim delas é morte.
Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação e, por fim, a vida eterna;
porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

(Novamente Paulo reforça que o cristão não deve viver no pecado, porque esta debaixo da graça e não da lei.
Vou dar um exemplo sobre isso: Eu peco, vou e me arrependo e recebo o perdão de Deus, daí peco de novo, me arrependo e recebo o perdão de Deus, e isso acontece várias vezes, já não estou resistindo ao pecado porque sei que Deus me perdoa se eu me arrepender.
Nisso podemos correr o risco de estar vivendo em uma vida de pecado, porque sabemos que se arrependermos Deus nos perdoa e nos recebe novamente. É um grande erro pensar assim, o cristão deve lutar contra o pecado e não se deixar ser dominado por ele. Viver na pratica do pecado depois de termos sido justificados é viver novamente na carne e em Romanos 8:8 esta claro o que Paulo diz inspirado pelo Espírito de Deus: Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.
Nosso objetivo após a conversão, não é mais viver segundo as nossas paixões, e sim agradar a Deus que nos chamou (2 Timóteo 2:4).

Libertados do pecado hoje somos servos para servir a justiça de Deus, ou seja, vivermos de acordo com a Sua palavra, para que possamos ser sal e luz neste mundo (Mateus 5:13-16).
Da mesma forma que um dia andávamos de acordo com os nossos desejos, impurezas e maldade, entregando os nossos membros para essas práticas, devemos andar hoje de acordo com a reta justiça de Deus, para que nossos membros sejam santificados.

Quando vivíamos na escravidão do pecado, não tínhamos a justificação pela fé em Cristo Jesus, tanto que hoje, nossos pecados passados nos trás pesar e vergonha, pois sabemos que aquela vida passada estava nos levando a morte, separação total de Deus!
Mas hoje, somos libertos do pecado, e fomos transformados em servos do Deus Altíssimo, então nossas atitudes hoje devem ser para que Cristo seja aperfeiçoado em nós, isso é a santificação (2 Coríntios 3:18), negamos a nós mesmo para que Cristo reine em nós e para que nele tenhamos a vida eterna (Lucas 9:23-24).
Porque sabemos que a recompensa de uma vida de pecado é a morte eterna, mas o dom gratuito de Deus, que é a justificação pela fé (Romanos 5:1-2), nos dá vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.

0 comentários:

Postar um comentário